1. Respeito


Na nossa comunidade as pessoas se respeitam. Nos colocamos no lugar da outra pessoa e pensamos como ela gostaria de ser tratadas. Aqui há espaço para as diferenças de raça, gênero, religião, orientação sexual, identidade de gênero, idade, classe social, local de moradia, entre outras.


1.2. Respeito às diferenças

Somos uma comunidade que possibilita encontros entre pessoas diferentes. Muitas vezes precisamos lidar com opiniões e ideias que não nos são familiares, ou são muito distantes da nossa própria realidade. O respeito ao outro é o que conduz as nossas relações.

Queremos que as viagens sejam agradáveis para todo mundo, motoristas parceiras e motoristas parceiros, passageiras e passageiros. Que as pessoas possam se sentir seguras e sejam respeitadas pelo que elas são.

Alguns pontos são inegociáveis. Não toleramos nenhum ato de violência, racismo, LGBTI+fobia e intolerância por questão religiosa ou política. Nem preconceitos de classe social, profissional, de origem, local de moradia, com as pessoas com deficiência ou qualquer outra característica específica.

Preste atenção também a maneira como você fala. Ninguém gosta de receber uma resposta rude, hostil ou agressiva. Ajude a disseminar educação, gentileza e, se possível no dia, até sorrisos.


1.3. Comportamento na Viagem

A educação é essencial para uma boa experiência na viagem. Isso vale para motoristas, passageiras e passageiros. No início de uma viagem, se apresente e confirme as informações básicas. Ações como essas são importantes para a segurança, além de ser o primeiro passo para construir uma relação de confiança e respeito mútuo.

Além desse diálogo mais simples, motoristas, passageiras ou passageiros precisam perceber se outro lado está aberto para conversar. E também sobre quais assuntos falar. É preciso ter sensibilidade e empatia para evitar falas ou temas caso perceba qualquer desconforto da outra parte.

Achamos que as viagens podem ser um momento de troca de experiências, com uma boa conversa e muita gentileza.

Agora, independente de afinidades pessoais, quaisquer necessidades específicas na viagem precisam ser avisadas. Perguntar é um bom caminho. O ar-condicionado está frio? Peça educadamente para abaixar a intensidade. Você precisa fazer uma parada extra durante a viagem? Pergunte se é possível e altere no aplicativo. Quer usar um caminho diferente? Avise e explique o motivo. Isso cria um ambiente mais respeitoso, seguro e confortável, para motoristas, passageiras ou passageiros.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • Educação é bom, e a gente gosta. Cumprimente e confirme o nome da pessoa que você está encontrando.
  • Confirme as informações básicas da viagem, como local de destino, e combinem o caminho que vão fazer.
  • Sempre informe a necessidade de realizar paradas extras, verbalmente e no app.
  • Combinar questões como o uso de ar-condicionado ou a música que vão ouvir durante a viagem ajuda a quebrar o gelo entre motoristas e passageiras ou passageiros. Esses simples acertos tornam o ambiente mais agradável para todo mundo.
  • Preste atenção para saber se a outra pessoa está querendo conversar. Fique atento se o assunto não está incomodando. Alguns temas, como política, religião ou até mesmo futebol, podem incomodar. Se você perceber que a conversa não está fluindo, troque ou encerre o assunto. Se a outra pessoa tem uma opinião muito diferente da sua, não entre em embates acalorados ou julgue a outra pessoa apenas por conta disso. Isso vale para quem está dirigindo e para quem está viajando com nosso aplicativo, viu?
  • Preste atenção no tom de voz que você utiliza. Não seja agressivo ou mandão. Peça, não dê ordens. E pergunte antes de fazer algo que talvez possa incomodar a outra pessoa.
  • Todo mundo tem problemas. Às vezes brigamos com alguém da família, nosso time perde ou temos um dia difícil no trabalho. Mas, no momento da viagem intermediada pela 99, motoristas, passageiras e passageiros precisam lembrar que a outra pessoa dentro do carro não é a responsável por suas preocupações. E não deve ser maltratada por problemas que não são dela, nem por qualquer outro motivo.

Quando possível, faça também:

  • Seja gentil. Agradecer e pedir “por favor” são gestos simples, mas que ajudam a fazer a corrida mais agradável.
  • Quer gravar um vídeo ou tirar uma foto dentro do carro? Pergunte se a outra pessoa está confortável com isso. E não exponha ninguém sem autorização.

Evite:

  • Ouvir música alta.
  • Olhar excessivamente para a outra pessoa, para não criar uma situação desconfortável.

Não faça:

  • Não fume dentro do carro
  • Não tenha qualquer comportamento violento ou criminosa, nem incite a violência. A comunidade 99 repudia esse s comportamentos
  • Comporte-se como se o veículo fosse a casa de outra pessoa. Atitudes que não teríamos na frente de quem não temos intimidade não devem ser feitos durante uma viagem intermediada pela 99. Esse é o caso de agarração com beijos e abraços exagerados ou de carícias íntimas entre as pessoas que estão participando da corrida - por exemplo, passageiro e passageira, duas passageiras ou dois passageiros ( a nossa conversa aqui é sobre quando quem participa do ato está de acordo com ele, se não há consentimento de uma das partes veja a seção sobre Assédio Sexual).

O que fazer:

  • Manter o carro sempre revisado e com os itens de segurança e conforto disponíveis é uma obrigação da motorista ou do motorista.
  • Deixar o carro sempre limpo e sem mau cheiro. Esse é um papel de todas as pessoas que participam da viagem.
  • Recolha o seu lixo. Passageiras e passageiros devem retirar do carro quaisquer resíduos, como papéis, lenços, embalagens e restos de alimentos. É um sinal de boas maneiras e preserva o ambiente para motoristas e passageiras e passageiros que virão a seguir.
  • Evite entrar sujo, molhado ou cheio de areia dentro do carro. Quando for impossível, como em dias de chuva ou na saída da praia, peça com gentileza a quem está dirigindo antes de entrar.
  • Como passageira ou passageiro, sempre que você quiser comer ou beber alguma coisa dentro do carro, pergunte antes para quem está dirigindo. E tome muito cuidado para não sujar o veículo.
  • O carro é um instrumento de trabalho de quem está dirigindo. Passageiras e passageiros devem ter cuidado, evitando bater forte a porta ou danificar o automóvel.
  • Se você sentir uma indisposição e precisar atender alguma necessidade fisiológica, avise quem está dirigindo. Veja se é possível fazer uma parada ou se é preciso descer e encerrar a corrida. Essa dúvida vale inclusive se bebeu demais. Estar com a consciência alterada não é desculpa para desrespeitar os outros.

Cuidados com o carro

A responsabilidade por garantir que o carro esteja limpo para receber a próxima pessoa é tanto de motoristas quanto de passageiras ou passageiros. Motoristas precisam garantir as questões de segurança, como freios, luzes e cintos (além do cumprimento de todas as regras legais de segurança do carro), assim como que, no início da jornada, o interior esteja limpo e arrumado. E quem viaja deve respeitar o local de trabalho de quem está dirigindo (sim, o carro é o local de trabalho do motorista!). O automóvel é um ambiente compartilhado e a responsabilidade de sua conservação é de todas as pessoas que usam o espaço.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:


1.4. Discriminação: Comportamentos violentos e criminosos

A Comunidade da 99 é um espaço de troca de experiência, de encontro entre pessoas, que muitas vezes nunca se conheceriam se não fosse a 99. Achamos a diversidade enriquecedora.

Nós da 99 não toleramos práticas de violência, física ou verbal, preconceito e discriminação, seja contra motoristas, passageiras ou passageiros. E temos uma série de programas para evitá-las, como cursos e conscientização através do aplicativo ou outros canais. Este Guia é uma dessas medidas. Mas, infelizmente, esses lamentáveis casos podem acontecer no nosso ambiente ou em qualquer outro. Por isso, precisamos saber reconhecer e o que fazer quando presenciarmos ou vivenciarmos uma situação de violência ou preconceito.

Muito sobre o que vamos conversar nessa parte do Guia são comportamentos criminosos, que exigem ações que precisam do envolvimento da polícia e do poder público. A 99 colabora sempre com as investigações policiais ou das autoridades responsáveis, encaminhando rapidamente as denúncias e informações que são pedidas - respeitando a todo momento as necessidades legais e de privacidade.


1.4.1. Ameaças, constrangimentos e humilhações

As pessoas são o ponto de partida da 99. A nossa comunidade é feita de gente diferente, com cada uma tendo um papel: no momento do encontro, uma está como motorista e a outra como passageira. Nenhuma é melhor do que a outra e todas as pessoas devem se tratar com respeito e educação.

Jamais use sua posição para ameaçar o outro. Preste atenção em como você pede. Não é preciso mandar ou ordenar. Peça ou sugira o que você quer, de forma gentil e educada, seja você motorista, passageira ou passageiro.

Lembre-se que às vezes podemos ofender alguém sem perceber. Uma brincadeira que parece inocente pode ser ofensiva para outras pessoas. Esteja aberto a se desculpar e apreender se alguém corrigir a sua linguagem ou atitude.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • Uma comunicação respeitosa e educada ajuda a criar um ambiente agradável para motoristas, passageiras ou passageiros. Não trate as outras pessoas com desprezo ou de forma agressiva.
  • Não ameace quem viaja com você, seja com notas baixas ou com interrupção da viagem em lugar perigoso ou isolado, por exemplo. Lembre-se: o carro é o local onde a motorista ou o motorista trabalham. Quanto menor o nível de estresse nesse lugar, mais segura será a viagem e melhor a qualidade de vida de todas as pessoas envolvidas.

O que fazer quando presenciar ou vivenciar:

  • Denúncias de ameaças, humilhações, situações constrangedoras ou de desrespeito ocorridas durante as viagens intermediadas pela 99 devem ser feitas pelo nosso aplicativo ou pela nossa Central de Segurança no telefone 0800-888-8999. Ao ligar, você receberá informações sobre o que fazer e quais medidas serão tomadas. Motoristas, passageiras ou passageiros podem utilizar qualquer um dos canais.
  • O aplicativo da 99 permite que você grave o áudio da viagem. A função está na “assistência de segurança” que aparece na tela do seu app durante a corrida. É possível iniciar a gravação a qualquer momento da corrida. O áudio é guardado com a 99 e pode ser usado em investigações, nos termos da legislação aplicável.
  • A 99 permite que passageiras, passageiros ou motoristas bloqueiem outra usuária ou outro usuário. Dessa forma, o sistema nunca vai agendar uma viagem entre pessoas que já tiveram alguma indisposição anterior.

1.4.2. Assédio Sexual

O que fazer:

“Consentimento.” Essa é uma palavra importante na nossa sociedade quando se fala relacionamentos afetivos ou sexuais. As pessoas envolvidas precisam estar de acordo. E existem locais e momentos apropriados para isso acontecer. E nenhum desses momentos é durante uma viagem intermediada pela 99.

Ninguém deve ser tocado por quem não conhece, muito menos de forma sexual. Além de ser ofensivo, é crime. Receber qualquer forma de flerte, piscada ou comentário inoportunos também é inaceitável.

A Comunidade da 99 não aceita nenhuma forma de assédio ou violência sexual, seja através de ações, gestos ou palavras. A 99 trabalha para identificar e coibir todos os casos de assédio contra motoristas ou passageiras e passageiros, sejam homens ou mulheres. Também damos suporte e fornecemos orientações para aquelas pessoas que lamentavelmente tenham sofrido isso durante uma viagem conosco.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • Seja uma pessoa gentil e educada no bate-papo durante a viagem. Mas não faça elogios que não estejam relacionados ao serviço, incluindo comentários sobre o corpo ou a roupa. Isso vale para motoristas, passageiras ou passageiros. Essas conversas podem ser invasivas e ofensivas para a outra pessoa. O mesmo vale para perguntas sobre namorados, namoradas, esposas ou maridos.

Evite olhar excessivamente para outra a pessoa. Isso pode deixá-la desconfortável e pode ser considerado uma situação de assédio.

O que não fazer:

  • Não ofereça ou aceite pagamento de viagens com favores sexuais.
  • Nunca encoste na outra pessoa, seja motorista, passageira ou passageiro.
  • Não converse sobre a sua vida sexual, seja você motorista, passageira ou passageiro.
  • Não faça piadas com conteúdos sexuais ou use palavras de baixo calão.
  • Nunca mostre conteúdo pornográfico para quem está viajando com você.

O que fazer quando presenciar ou vivenciar:

  • Denúncias de casos de assédio ou violência sexual durante as viagens intermediadas pela 99 devem ser feitas pelo nosso aplicativo ou pela Central de Segurança pelo telefone 0800-888-8999. Pela central telefônica você receberá informações sobre centros de ajuda, inclusive psicológica e jurídica. Os dois canais estão disponíveis para motoristas, passageiras ou passageiros.
  • Ligue para o telefone 190 o mais rápido possível, para iniciar o processo formal de denúncia. O registro do assédio pode ser realizado também pela internet ou diretamente numa delegacia de polícia. Envie o Boletim de Ocorrência para a 99. Isso ajuda nas investigações internas.
  • Não responda o comportamento violento ou criminoso de forma direta ou pessoal. Deixe que a punição seja aplicada pelos órgãos públicos responsáveis.
  • O aplicativo da 99 permite que você grave o áudio da viagem. A função está na “assistência de segurança” que aparece na tela do seu app durante a corrida. É possível iniciar a gravação a qualquer momento da corrida. O áudio é guardado com a 99 e pode ser usado em investigações, nos termos da legislação aplicável.
  • No caso de violência contra mulher é possível ligar para o telefone 180. É gratuito e funciona 24 horas.
  • Não é preciso ter sido a vítima para fazer denúncias de assédio ou de violência. É possível fazer o registro de uma situação que você tenha presenciado com outra pessoa.
  • Busque orientações jurídicas na Defensoria Pública ou por meio de organizações que possam apoiar no processo. Contatos na sua cidade são fornecidos na Central de Segurança da 99 pelo telefone 0800-888-8999.
  • Após o recebimento da denúncia, a 99 tomará as medidas necessárias, com bloqueios, apoio à investigações e demais procedimentos previstos em nossas políticas e termos de uso.

1.4.3. Racismo

O Brasil é um país marcado pelo racismo. A discriminação pela cor da pele está presente em diversos espaços e situações. Ela é, infelizmente, muito comum e às vezes podemos não perceber que estamos sofrendo ou praticando uma ação racista. Nas viagens intermediadas pela 99 acontecem encontros de pessoas de diferentes raças e etnias. E essas diferenças não devem mudar a forma como você trata alguém. Nossa comunidade não concorda com o racismo ou práticas racistas. E sabe que a discriminação racial contra negros, indígenas ou qualquer outra raça ou etnia, deve ser repudiada e denunciada. Racismo é um crime de extrema gravidade, previsto na Constituição Federal.

Caso você seja vítima ou testemunhe um caso de racismo durante uma viagem, a 99 possui canais para fazer as denúncias. E recomendamos que você faça registro pelo telefone 190, da polícia, e pelo Disque 100, do Governo Federal.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • Preste atenção na forma com que você fala e as palavras e expressões que você usa. Mesmo sem perceber podemos nos expressar de forma racista ou discriminatória.
  • Se alguém lhe corrigir por você ter usado uma frase preconceituosa, procure entender o problema e esteja aberta ou aberto para reconhecer o erro. É sempre bom escutar e aprender. Isso vale para motoristas, passageiras ou passageiros.
  • Quando precisar corrigir alguém por se sentir ofendida ou ofendido por algo que ouviu, faça isso de forma respeitosa. Procure conversar e explicar a situação. Abrir o diálogo ajuda a desconstruir preconceitos.

O que fazer quando presenciar ou vivenciar:

  • Denúncias de casos de racismo ou discriminação racial durante as viagens intermediadas pela 99 devem ser feitas pelo nosso aplicativo ou pela Central de Segurança pelo telefone 0800-888-8999. Pela central telefônica você receberá informações sobre o que fazer e quais medidas serão tomadas. Os canais estão disponíveis para passageiras, passageiros e motoristas.
  • Casos de racismo ou injúria racial devem ser registrados oficialmente. É possível fazer isso pela internet, pelo telefone 190, ou presencialmente em uma delegacia de polícia. Envie o Boletim de Ocorrência para a 99. Isso ajuda nas investigações internas.
  • O aplicativo da 99 permite que você grave o áudio da viagem. A função está na “assistência de segurança” que aparece na tela do seu app durante a corrida. É possível iniciar a gravação a qualquer momento da corrida. O áudio é guardado com a 99 e pode ser usado em investigações, nos termos da legislação aplicável.
  • O Governo Federal mantém um telefone para denúncia de violações de Direitos Humanos, que inclui a discriminação racial e étnica. É o Disque 100, que dá orientações sobre como proceder e buscar apoio. Qualquer pessoa pode fazer uma denúncia.
  • Não responda o comportamento violento ou criminoso de forma direta, pessoal ou individualmente. Deixe que a punição seja aplicada pelos órgãos públicos responsáveis.
  • Após o recebimento da denúncia, a 99 tomará as medidas necessárias, com bloqueios, apoio à investigações e demais procedimentos previstos em nossas políticas e Termos de Uso.

1.4.4. Intolerância religiosa

Na nossa comunidade tratamos com educação, respeito e tolerância qualquer pessoa. Não importa se quem entra no carro está com um objeto religioso ou veste uma roupa cerimonial. Essa pessoa viaja utilizando nosso aplicativo, seja motorista, passageira ou passageiro, e deve ser bem tratada.

Seguir uma religião, ou seguir nenhuma, é uma decisão pessoal e privada. No ambiente da 99 estamos num espaço compartilhado. Respeitamos os limites das pessoas e temos oportunidade de tomar contato com o que é diferente de nós. E aprender com isso.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • Trate com respeito e educação todo mundo, passageiras, passageiros ou motoristas, independentemente de sua religião ou credo. Não se deve recusar uma viagem por conta de alguém estar vestido de forma a expressar sua religião ou crença.
  • Conversar para conhecer como funciona a religião da outra pessoa é algo interessante. Pode ser uma boa oportunidade de aprender. Mas perceba se ela está disposta a falar sobre isso. Perguntar se esse é um tema que a outra pessoa está confortável de se abrir é um bom caminho. O que não pode é discutir, questionar a fé ou fazer comentários preconceituosos por conta da religião.
  • Conversar e combinar a música que vai tocar durante a viagem é algo básico. Isso vale também para vídeos ou gravações de cultos e canções religiosas, seja no rádio ou no celular . Pergunte se a outra pessoa não se incomoda e preste atenção ao volume.

O que fazer quando presenciar ou vivenciar:

  • É possível fazer reclamações ou denúncias sobre intolerância religiosa pelo aplicativo da 99.
  • O telefone da Central de Segurança da 99 (0800-888-8999) também recebe denúncias de intolerância religiosa. Pela central telefônica você receberá informações sobre o que fazer e quais medidas serão tomadas.
  • Os dois canais estão disponíveis para motoristas, passageiras e passageiros.
  • O aplicativo da 99 permite que você grave o áudio da viagem. A função está na “assistência de segurança” que aparece na tela do seu app durante a corrida. É possível iniciar a gravação a qualquer momento da corrida. O áudio é guardado com a 99 e pode ser usado em investigações, nos termos da legislação aplicável.
  • O Disque 100, do Governo Federal, é um telefone para denúncia de violações de Direitos Humanos, que inclui atos de intolerância religiosa. Pelo telefone, é possível receber orientações sobre como proceder e buscar apoio. Qualquer pessoa pode fazer denúncias. É gratuito e funciona 24 horas.
  • Denúncias também podem ser feitas para a polícia, seja pela Internet, pelo telefone 190 ou presencialmente em uma delegacia. Envie o Boletim de Ocorrência para a 99. Isso ajuda nas investigações internas.
  • Busque orientações jurídicas na defensoria pública ou através de organizações que possam apoiar no processo.
  • Após o recebimento da denúncia, a 99 tomará as medidas necessárias, com bloqueios, apoio à investigações e demais procedimentos previstos em nossas políticas e Termos de Uso.

1.4.5. Capacitismo (discriminação contra pessoas com deficiência)

Esta é uma palavra nova, que nem todo mundo conhece mas que tem sido mais usada a cada dia. Capacitismo é todo preconceito ou discriminação contra uma pessoa por causa de uma deficiência.

Desconhecer a realidade das pessoas com deficiência é uma característica de uma sociedade que, por muito tempo, as manteve excluídas. Mas isso está mudando. E, cada vez mais, estamos ampliando o convívio de pessoas com deficiências física, visual, auditiva, intelectual, psicossocial ou mesmo com múltiplas deficiências.

Durante a corrida, as pessoas com deficiência podem, em alguns casos, precisar de adaptação. Estamos falando, por exemplo, do uso de cadeira de rodas, ou dos cães-guias usados por alguns cegos ou pessoas com deficiência visual. Inclusive, é liberada a entrada de cão-guia registrado em qualquer carro da 99. A lei permite que o cachorro viaje no veículo junto com a pessoa com deficiência.

Uma comunidade baseada na educação e diálogo, como a nossa, não poderia tratar o assunto se não com compreensão e empatia. Todas as pessoas com deficiência são bem-vindas aqui!

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • Caso alguma das partes tenha uma deficiência auditiva, converse preferencialmente pelas mensagens no aplicativo. A 99 tem motoristas com deficiência auditiva e seus carros podem ter adesivos informativos sobre a questão.
  • As passageiras e passageiros com deficiência, sempre que possível, podem optar por táxis adaptados e devem informar que necessitam de alguma característica especial no veículo para realizar a viagem, como um porta-malas maior para guardar uma cadeira de rodas.
  • Se não for possível realizar a corrida (por exemplo, porque o porta-malas é muito pequeno) a passageira ou passageiro com deficiência deve cancelar a corrida, entrar em contato com a Central de Ajuda (0300-3132-421), se identificar como pessoa com deficiência e explicar a situação. Dessa forma, a taxa de cancelamento será anulada.
  • Motoristas devem estar disponíveis para ajudar, quando for necessário. Caso esteja em dúvida de como proceder, pergunte educadamente para a passageira ou o passageiro se é necessário fazer algo e como fazer.

O que não fazer:

  • A outra pessoa ter uma deficiência não é motivo para cancelamentos de viagens, seja ela motorista, passageira ou passageiro.

O que fazer quando presenciar ou vivenciar:

  • É possível fazer reclamações pelo aplicativo da 99, ou pela Central de Segurança da 99 (0800-888-8999) em relação ao capacitismo.
  • É importante realizar a denúncia formal para a polícia. Ela pode ser feita pelo telefone 190, pela internet ou presencialmente numa delegacia. Envie o Boletim de Ocorrência para a 99. Isso ajuda nas investigações internas.
  • O aplicativo da 99 permite que você grave o áudio da viagem. A função está na “assistência de segurança” que aparece na tela do seu app durante a corrida. É possível iniciar a gravação a qualquer momento da corrida. O áudio é guardado com a 99 e pode ser usado em investigações, nos termos da legislação aplicável.
  • O sistema Disque 100, do Governo Federal, também recebe denúncias sobre preconceito contra pessoas com deficiência. É gratuito e funciona 24 horas.
  • A 99 permite que passageiras, passageiros ou motoristas bloqueiem outra usuária ou outro usuário. Dessa forma, o sistema nunca vai agendar uma viagem entre pessoas que já tiveram alguma indisposição anterior.

1.4.6. LGBTI+fobia

A diversidade é importante para a Comunidade 99. E quando falamos de diversidade, falamos também das muitas maneiras de amar e de enxergar o próprio corpo.

No nosso espaço, nós não discriminamos, ofendemos ou agredimos quem quer que seja. Isso vale para orientação sexual, que diz respeito aos afetos e à atração sexual (assexual, bissexual, heterossexual, pansexual ou homossexual, entre outros); e à identidade de gênero, que diz respeito ao gênero com o qual a pessoa se identifica (travesti, transexual, cis ou transgênero, entre outros). Independentemente de sua identidade e orientação sexual, você deve ser bem recebida ou recebido pela 99.

Pessoas são aquilo que elas são. Não faz diferença sua identidade de gênero ou orientação sexual. E nós as respeitamos, cuidamos delas e as queremos na Comunidade 99 da maneira como são.

Porém, as pessoas LGBTI+ muitas vezes não se sentem seguras em ambientes públicos. São muito frequentes as agressões verbais e físicas contra elas. Mesmo LGBTI+fobia sendo crime, ela continua acontecendo.

Na 99 somos contrários à discriminação contra orientação sexual ou identidade de gênero e estimulamos as denúncias de atos cometidos como forma de evitar que situações semelhantes se repitam no futuro.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • As pessoas devem ser tratadas com educação. Sempre. Isso inclui respeitar a maneira como ela quer ser tratada. Não importa com qual sexo ela nasceu, chame pela maneira que ela quer ser chamada. Isso vale tanto para motoristas como passageiras e passageiros.
  • Fique atento à linguagem que você usa. Ela pode ser ofensiva mesmo sem você perceber. Evite brincadeiras, piadas ou comentários que possam ser considerados preconceituosos.
  • Se alguém corrigir você por ter usado uma frase preconceituosa, procure entender o problema e esteja aberto e aberta a reconhecer o seu erro. É sempre bom escutar e aprender. Isso vale para motoristas, passageiras ou passageiros.
  • Quando precisar corrigir alguém por se sentir ofendida e ofendido por algo que ouviu, faça de forma respeitosa. Procure conversar e explicar a situação. Abrir o diálogo ajuda a desconstruir preconceitos.
  • Algumas pessoas transexuais ou em processo de transição de gênero podem ter um nome diferente da identidade sexual que aparentam. Seja você motorista, passageira ou passageira, confirme o nome no início da viagem, mas não insista nessa pergunta. Ela é ofensiva.

O que fazer quando presenciar ou vivenciar:

  • Denúncias de casos de LGBTI+fobia durante as viagens intermediadas pela 99 devem ser feitas pelo nosso aplicativo ou pela Central de Segurança no telefone 0800-888-8999. Pela central telefônica você receberá informações sobre o que fazer e quais medidas serão tomadas. Os dois canais estão disponíveis para passageiras e passageiros e motoristas.
  • É importante realizar a denúncia formal para a polícia. Ela pode ser feita pelo telefone 190, pela internet ou presencialmente numa delegacia. Envie o Boletim de Ocorrência para a 99. Isso ajuda nas investigações internas.
  • O aplicativo da 99 permite que você grave o áudio da viagem. A função está na “assistência de segurança” que aparece na tela do seu app durante a corrida. É possível iniciar a gravação a qualquer momento da corrida. O áudio é guardado com a 99 e pode ser usado em investigações, nos termos da legislação aplicável.
  • Em alguns estados, as Delegacias da Mulher atendem transexuais. Procure saber se isso acontece no seu estado.
  • Todos os casos de LGBTI+fobia podem ser registados no Disque 100 do Governo Federal, atende situações de violações de Direitos Humanos. É gratuito e funciona 24 horas.
  • Quando a vítima for mulher cis ou pessoa trans (homens e mulheres) também é possível usar o telefone 180, para casos violência contra mulher. Qualquer pessoa pode fazer a denúncia, não apenas a vítima.
  • Não responda o comportamento violento ou criminoso de forma direta, pessoal ou individualmente. Deixe que a punição seja aplicada pela empresa e pelos órgãos públicos responsáveis.
  • Após o recebimento da denúncia, a 99 tomará as medidas necessárias, com bloqueios, apoio à investigações e demais procedimentos previstos em nossas políticas e Termos de Uso.

1.4.7. Xenofobia, Preconceito Regional e Linguístico

Viagens são momentos de descobertas. Mesmo fazendo o caminho de todo dia é possível tomar contato com algo muito diferente e distante do seu cotidiano. Como conhecer alguém que nasceu do outro lado do Brasil ou mesmo do mundo. Na Comunidade 99 isso é possível.

Ainda mais num país com uma cultura tão diversa e rica como é o nosso Brasil. Nas nossas terras se misturaram diversas raças e povos de diferentes origens, nem todos chegaram aqui por vontade própria, é verdade, mas criaram raízes e construíram tradições e manifestações culturais próprias.

Essa contato com quem vem de fora ajuda a nos desenvolver como pessoa.

Na nossa comunidade cuidamos e respeitamos quem nasceu em outro país, em outro estado ou que fala diferente da gente. Enxergamos aí uma oportunidade de aprender.

Nós não aceitamos a o preconceito em relação aos estrangeiros, chamado de xenofobia, nem brincadeiras desrespeitosas com o sotaque ou a origem das outras pessoas.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • Fique atento à linguagem que você usa. Ela pode ser ofensiva mesmo sem você perceber. Não faça brincadeiras, piadas ou comentários que possam ser considerados preconceituosos.

O que fazer quando presenciar ou vivenciar:

  • Denúncias de casos de xenofobia e preconceito regional e linguístico durante as viagens intermediadas pela 99 devem ser feitas pelo nosso aplicativo ou pela Central de Segurança no telefone 0800-888-8999. Pela central telefônica você receberá informações sobre o que fazer e quais medidas serão tomadas. Os dois canais estão disponíveis para passageiras e passageiros e motoristas.
  • O aplicativo da 99 permite que você grave o áudio da viagem. A função está na “assistência de segurança” que aparece na tela do seu app durante a corrida. É possível iniciar a gravação a qualquer momento da corrida. O áudio é guardado com a 99 e pode ser usado em investigações, nos termos da legislação aplicável.
  • É importante realizar a denúncia formal para a polícia. Ela pode ser feita pelo telefone 190, pela internet ou presencialmente numa delegacia. Envie o Boletim de Ocorrência para a 99. Isso ajuda nas investigações internas.
  • Todos os casos de xenofobia e preconceito regional e linguístico podem ser registados no Disque 100 do Governo Federal, que registra violações de Direitos Humanos. Qualquer pessoa pode fazer a denúncia, não apenas a vítima. É gratuito e funciona 24 horas.

1.5. Respeito a opinião política e posições partidárias

Política é a maneira de organizar a nossa vida em comum, nas cidades e nos países. Enfim, na sociedade em geral. Todo mundo é impactado pela política. Ela acaba mexendo com as nossas vidas. É natural que a política seja um tema nas conversas nas viagens intermediadas pela 99. Mas as discussões políticas têm sido difíceis no Brasil atualmente. Têm gerado muitas brigas e até rompimentos de relacionamentos.

Consideramos importante que aconteçam conversas e diálogos sobre a política. Não disputas. Quando um lado quer apenas falar, e não escutar o outro, a viagem intermediada pela 99 não é o local para isso. É com educação que nos tratamos, não com xingamentos e ataques pessoais.

Todas as pessoas têm direito a sua opinião e a expressá-la, seja falando ou usando um adesivo ou camiseta. Isso é parte da diversidade que tanto defendemos. Ninguém pode ser discriminado ou agredido por suas posições políticas e preferências partidárias. Isso vale tanto para motoristas, como para passageiras e passageiros.

É preciso nunca perder de vista o respeito quando estamos falando sobre política. Perceba se a outra pessoa está confortável com a discussão. Se não for o caso, mude de assunto.

É importante ressaltar que a 99, como empresa, não apoia nenhuma candidato ou partido e permanece neutra nas disputas políticas ou eleitorais. Além disso, nenhuma motorista parceira e nenhum motorista parceiro está autorizado a falar ou agir politicamente em nome da empresa.

Conheça alguns exemplos de como agir, o que fazer e o que não fazer:

O que fazer:

  • Nas conversas sobre política, tente sempre ouvir e considerar a opinião da outra pessoa. Busque o diálogo e não a disputa. Não imponha a sua posição. Esteja aberta e aberto até a mudar de ideia. Isso é um processo de amadurecimento e crescimento pessoal.
  • Se for fazer algum comentário sobre política, eleições ou partidos, tenha sensibilidade. Fique atenta e atento para perceber se a outra pessoa está confortável com o tema. Se não for o caso, mude de assunto. Isso vale para motoristas, passageiras e passageiros.
  • Se outras pessoas que estejam viajando com você defenderem um tema que você não concorda, avise com educação. Não há nada errado em pedir para não conversar sobre o assunto. Agora, responder de forma desrespeitosa não é como fazemos na Comunidade 99. Não importa se você é motorista, passageira ou passageiro.
  • Em caso de exaltações, agitações ou nervosismo, quando se comenta sobre política ou eleições, cuidado. Isso pode fazer da viagem um momento desagradável. Repense a maneira como você se coloca e expõe as suas ideias.

O que não fazer:

  • Não faça comentários ou piadas ofensivas sobre pessoas com posições políticas diferentes.
  • Nunca brigue por questões políticas durante uma viagem intermediada pela 99.
  • Não deixe que opiniões divergentes afetem o serviço prestado, seja motorista ou passageira ou passageiro. As pessoas têm liberdade para ter pontos de vista diferentes. Se você não concorda, procure formas de amenizar o que está incomodando, seja mudando de assunto ou pedindo para reduzir o volume se estiver ouvindo um vídeo ou rádio com conteúdo político, por exemplo.

O que fazer quando presenciar ou vivenciar:

  • Caso uma conversa sobre política durante uma viagem intermediada pela 99 tenha se tornado uma disputa, gerado ofensas ou agressões, é possível fazer denúncia pelo aplicativo.
  • A maioria das questões pode ser resolvida diretamente pelo app, mas se for necessário a 99 mantém dois números de telefone que podem ser utilizados para o caso: a Central de Ajuda (0300-3132-421) e a Central de Segurança pelo telefone 0800-888-8999. Por esses canais você receberá informações sobre o que fazer e quais medidas serão tomadas. Os dois canais estão disponíveis para passageiras, passageiros ou motoristas.
  • O aplicativo da 99 permite que você grave o áudio da viagem. A função está no “assistência de segurança” que aparece na tela do seu app durante a corrida. É possível iniciar a gravação a qualquer momento da corrida. O áudio é guardado com a 99 e pode ser usado em investigações, nos termos da legislação aplicável.